segunda-feira, 7 de março de 2011

dias de ficar em casa

Não sou capaz de comentar os últimos acontecimentos. Não porque me afectem directamente mas por isso mesmo. Há um clima de incerteza que não desaparece - não se ouviu confusão e não sei se isso vai de encontro às expectativas ou não. Decidimos não sair por precaução, não porque tivéssemos a convicção de que algo poderia correr mal.
Até a democracia tem a maldição de não agradar a todos, e nem temos a certeza que isto seja uma democracia. E a verdade é que nunca vamos entender. Não passamos de fracos observadores que viram a cara às coisas que preferem nem saber e que nunca se misturam realmente. Mas também é verdade que é um alívio saber da calma, mais do que pela nossa própria segurança, pelo país. Porque salvo raras excepções, ninguém põe cá os pés sem se apaixonar mais tarde ou mais cedo.

Sem comentários: