segunda-feira, 28 de setembro de 2009

What goes around, comes around

Sempre achei que o universo tem uma forma misteriosa de ajustar contas.
Não que ache que se faz justiça no final, ou que haja uma entidade provida de consciência moral, lá em cima, a fazer justiça por nós ao longo das nossas vidas. Forma misteriosa no verdadeiro sentido da palavra - para mim é um mistério! Estou a milhas de perceber os intrincados mecanismos pelos quais ele consegue fazê-lo, mas acredito mesmo que o universo o faz de uma maneira ou de outra e não me cabe a mim descobrir como.
Colhemos mesmo o que semeamos. Temos mesmo, nada mais, nada menos, do que aquilo que merecemos. E estas questões karmicas não me fascinam ao ponto de investigar o assunto (nem sequer em part-time). Ultimamente, tem havido um rebuliço. Os períodos extraordinariamente bons disputam o espaço com as coisas menos boas a uma velocidade incrível. Quase nem tenho tempo de gozar um momento para estar já a viver o oposto. Vá-se lá saber porquê, que isso para mim também é um mistério, e o melhor é não perder muito tempo com questões que me queimem muitos neurónios.
Itálico
A verdade é que há muitas novidades, mais do que aquelas com que consigo lidar e nem dá tempo para estar a divulgar. Mas, assim de forma resumida, limitando ao essencial, e por ordem aleatória de importância:
- estou cada vez mais forte, porque vou ao ginásio todos os dias;
- ontem chegou a pequenita S., assistente incompetente (para prestar auxílio pessoal e profissional);
- eu tenho TUDO;
- a CML está a descobrir o outro lado e a adorar, e a fazer um brilharete lá na mãe FEP, e eu cheiiiiinha de orgulho;
- o fim-de-semana em nãoanda (citando o meu caríssimo Z.) foi de chorar - por mais, nalguns sentidos; chorar (só), noutros;
- SUKUYANGUE - OMG, em Umbundo (obrigada Z.);
- tenho produzido como se não houvesse amanhã, o que é bom, mas ainda assim tenho que comer muita sopinha para chegar ao objectivo, o que é mau...
- hoje um dos meninos novos faz anos, por isso há festarola;
- continuo sem tempo para quem mais o merece (shame on me);


- e voltando ao assunto do início, quase um ano depois, depois de barafustar contigo porque te esqueceste de mim (puro ciúme porque falaste do outro menino e de mim não), esqueci-me eu de ti... shame on me, again... logo de ti, que és o number one e não merecias! Parabéns, sim!
Espero que toda a gente tenha o bom senso de não te impingir uma daquelas ideias pré-fabricadas tipo "já está na altura de ganhares juízo", porque sei quanto foges à regra e acredito que assim é que vais ser feliz. És anormal e eu gosto, por outras palavras!

2 comentários:

antonio disse...

Hei MB!
Sei que te guias por padrões de eficiência, competência.Sei que és a xodó do sítio-
Mas...
Não te desgastes assim.Começa a compreender também a máxima tão kafkaniamente angolana do ano da média:
Este ano é o ano da média: pior do que passou mas melhor do que há de vir!
Redistribui o teu tempo...Sorri
Z.

Elcio Das Arabias disse...

Ená Ená Sukuyangue ai que linda até já sabes umas palavras em Umbundo

P.s. Estou a criar claro com a ajuda da minha mae um dicionario Portugues Umbundo para meter na net :P

Beijos e uma optima semana