quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Àbox

Hoje a noite é aqui!
APAREÇAM!!!!!!!!!!!!












[até já... ou até pro ano]

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

:S

Hoje é dia 30 de Dezembro. Tenho que ir aproveitar as promoções. Tenho que planear a passagem de ano (ainda...). Tenho que tratar de coisas nos bancos e no centro de saúde e levar o telemóvel da sis para arranjar . Tenho que me organizar porque para a semana já não estou de férias. Tenho que tomar decisões. Mas não me apetece sair de casa........



[somebody shoot me!]

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

chiguei
























PUORTOOOOOOOOOOOO!!!

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

domingo, 13 de dezembro de 2009

pulguinhas

Estou no aeroporto 4 de Fevereiro. O aeroporto está em obras, por isso a sala de espera é uma tenda gigante! Mas o grande progresso é o facto de ter acesso à net aqui! Isto está a crescer! Angola já não é a mesma desde que cheguei. Foi bom ter visto algumas coisas a evoluir, e tenho pena se esta for A despedida. E até já tenho saudades, mas estou em pulgas... mal posso esperar a 1/2 dúzia de horas que me faltam para partir...

=^.^=


[até já]

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

equilíbrio

Eu acredito no equilíbrio. (Acho que já vos falei disto, mas aqui fica o reforço). Eu acredito que depois de muitas coisas boas, temos que chocar com algumas coisas más. Que se num lado tudo corre bem, no outro alguma coisa vai correr mal. As coisas não podem ser permanentemente boas em todos os sentidos. E equilibram-se.
E eu sabia que a minha extraordinária insensibilidade e completa ausência de criatividade em matéria de artes tinham que ser compensadas de alguma forma. E não, não tenho outras qualidade para colmatar essa minha deficiência. Ela é que tem. A minha metade. A minha coisa-mai-linda!
A sis ganhou um concurso. Um concurso de talentos promovido pela TAFEP... e depois conto mais pormenores, que agora tenho que ir...


terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Querido Pai Natal

Parece que as listas de natal invadiram a blogosfera, por isso, cá estamos (já que não tenho tempo para fazer compras, vou fazendo listas)!

After all, I've been a good girl this year...


























Samsung I8910 OMNIA HD (479€ na Pixmania)






















Vestido (39€ na Mango)





















Vestido (29€ na Mango)
[Ando numa de vestidos... fazer o quê?]





















Vestido (35€ na Mango)




















Botins (55€ na Bata)












Arctic Monkeys (02/02/10 no Coliseu do Porto - 30€ na Fnac) [pode ser só o bilhete e a possibilidade de lá estar, não é preciso ser mesmo eles]



E por enquanto é tudo, que não tenho tempo para mais...





[pedes pouco, pedes!]

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

cansada

Muito cansada! Quase de férias e ainda assim impaciente. São só 6 dias que parecem uma eternidade, e ainda por cima estou longe do mundo, deixada num canto, e não posso ir planeando jantares e coisas. E está difícil pensar na despedida. Porque esta é diferente, pode ser definitiva!
Não me apetece fazer balanços. Os outros já começaram a ir e sinto-me nostálgica. Talvez não volte a conviver com esta gente, debaixo deste clima e nesta paz de Benguela. Não me apetece despedir. É mesmo assim - há coisas boas e más, e por muito que deseje estar desse lado, estaria a mentir se dissesse que não vou sentir saudades. E depois, é tudo incerto. Não sei onde, nem quando, nem como! Por isso a ansiedade divide-se entre aquela que sinto pela vossa companhia e pela descoberta do que está realmente para vir.



As semanas têm sido de muito trabalho e os fins-de-semana de praia e festa (não me posso queixar, eu sei!)... mas daí a ausência...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

gracias

Àqueles que estiveram presentes, pela companhia... e pelo presente!
A todos os outros, obrigada pelas mensagens, músicas, e-mails, postais e chamadas intercontinentais...

Não parece que já passou um ano!
... o tempo passa rápido, apesar de às vezes aí não parecer, mas a verdade é que passou rápido por causa da vossa companhia e dos bons momentos que passamos todos juntos.
Não é da minha autoria, nem vos posso dizer de quem, mas reflecte bem aquilo que eu sinto, também...

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

purpurina

Não importa quantos contas! De todas, só tu consegues ver o mundo a cor-de-rosa. Não é ignorância, nem tão-pouco inocência. É sentir as coisas a uma profundidade de que já desistimos e continuar a acreditar que tudo vai ser melhor. É chorar porque dói, mas continuar em frente. Acreditar que há coisas mais importantes e que te vais rodear de gente que te dá o devido valor. E sorrir com as pequenas coisas. Ser genuína e indiferente ao que quer que possam pensar. E pagar a casa aos amigos quando ganhares o Euromilhões... parabéns luxinha! (bis bald)




[A vida continua sem nós. Gostava de ser capaz de me lembrar e ficar feliz por vocês. Chama-me invejosa, é verdade! Quando penso que estão aí a festejar só consigo sentir inveja. Queria estar convosco a apalermar e a rir. Mas só me ocorre que tudo continua sem mim. As festas, as saídas e a falta delas. E hoje não é sobre mim, mas não consigo evitar...]

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Eu sei que tu sentes. Estou farta de fingir ser quem não sou e não consigo escondê-lo de ti. Mesmo sem palavras. Mesmo à distância. Eu sei que é por isso que tu choras assim que me ouves. Sei que é por isso que me pedes para voltar. E eu minto. Que estou bem. Que não precisas de te preocupar. Que já falta pouco e tudo corre bem. E morro um bocadinho a cada passo. E digo para mim que não preciso. Mas só penso em vocês. Pertenço-vos. E queria gritar. Não posso. Queria pedir-te que me salvasses e chorar no teu colo como quando era menina e as brincadeiras parvas tinham as suas consequências. Mas não te posso magoar assim. Aguenta mais um pouco. Egoísmo meu, pedir-te o que não quero mais fazer.
Sabes? Hoje li sobre a inocência. Aquela da infância. Aquela anterior às cruéis descobertas sobre o mundo e as pessoas. E lembrei-me de ti. Das coisas que viveste. De como me avisaste. De como eu podia ignorar, porque tinha o teu colo ali e tu nunca deixarias que algo de mau acontecesse. Estou farta. E cada dia é mais difícil suportar. Eu sei que tu sofres da mesma ilusão. Aquela das pessoas que se habituaram a ver-nos no cimo dos nossos saltos altos. Aparentemente intocáveis. Mas hoje parece que não fui forjada do mesmo aço que o teu. Hoje, ter e perder é muito pior do que nunca ter tido. E queria o teu colo para chorar.


[help]

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

novidades ou a falta delas

É que o que é, rapidamente deixa de o ser. Vai-se desfazendo aquilo que nem chegou a ser feito, mas do processo de surpresa-adaptação-ansiedade-força-desilusão não nos livramos, e nos entretantos as versões da verdade seriam mais do que aquelas de que o tempo me permite falar.
Hoje é um mix. Ansiedade, cansaço e surpresa. E a dor de ser um peso para alguém. Esperança também, mas pouca.

Valeu a visita dos amigos no fim-de-semana grande, embora até isso tenha corrido à margem dos objectivos, com muita culpa minha à mistura (o que me faz sentir um apertozinho no coração, mas nada a fazer, e as desculpas não se pedem...). Valeu e valem as músicas que se cantaram (e as que ficaram por cantar) e a descoberta do caminho para aquela praia, e o jogo e a água, e os telefonemas que me informam do que se cantou na minha ausência!

E vale a exposição de piadas publicitárias. Já me fartei de rir.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

não

O reconhecimento profissional - pelo habitual e pelo esforço adicional. Não é.
O prazer de vos ver e abraçar sempre que quiser. Não é.
O espectáculo de um concerto ao vivo. Não é.
Fazer música. Não é.
Conduzir horas a fio. Não é.
Dançar até cair. Não é.
Fazer o caminho de casa e contemplar o meu rio. Não é.
Frequentar os melhores restaurantes da minha vida. Não é.


















O que me faz sorrir é aquele ficheirinho que mostra que se lembraram de mim e que me faz relembrar umas férias de sonho.
O que me faz sorrir é isto, quando tudo o resto me trai.



[snif]

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Here i go again...

Muito, muito ocupada, mesmo muito, só tenho tempo de vos dizer que estou palerma como nunca, já dizia o Germias [ou será Jeremias?, tudo é possível]... No fim-de-semana, Luanda vai ser alvo de um ataque palermóide, que isto de trabalhar muito põe-me assim! Portem-se bem mal e descompliquem! Estou viva e de saúde - física. Mental não, que estou prestes a fritar!
Está calor e chuva e fui!

Até já, cumá TMN. :)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Vai um pesente?

Se estivesses aqui inventávamos uma surpresa qualquer e, apesar de todos trabalharmos durante o dia, de certeza que arranjávamos uma forma de este não ser um dia como os outros.
O almoço ficava a cargo da D. Florinda, que fazia um qualquer miminho da tua preferência, como carne estufada com arroz branco, ou peixe grelhado com esparguete... para matares saudades! Passávamos a tarde do costume, concentrados no trabalho e talvez passasses pelo ginásio. Ao final do dia, íamos ali à Contente. Encomendávamos, e comíamos em casa, Muqueca de Peixe e/ou Açorda de Marisco, e eu fazia coisos de chocolate. Provavelmente faria também outro bolo, um maior, que desse para colocar as velinhas para te cantarmos os parabéns. Na festa lá em casa, o J. tirava as fotos. Brincávamos com os stresses do dia, trocávamos ideias novas, viamos tê-vê, ou talvez um filme. O mai-munito tentava esquivar-se para o escritório, mas nós não deixávamos, e ligávamos o computador para a tua família te cantar os parabéns online, junto com noisis. Bebíamos Amarula e Gin Tónico. O mai-munito até se lembrava de trazer a Nespresso no fim-de-semana para termos o melhor café para o teu aniversário. O paizinho tentava descaradamente ficar com os créditos de algo que não fez anunciando "as coisas que nos proporciona". O JB. animava toda a gente com piadas perspicazes e ao fim de alguns copos, quando começássemos a mandar piadas, ele defendia-se respondendo a toda a gente "tu não me conheces!". Eu dava porrada no mai-munito (e levava mais do que dava) e o J. diria que eu gosto é de porrada.

Sei que aí será bem melhor, mas não consigo evitar uma pontinha de inveja por não podermos celebrar o teu dia contigo. PARABÉNS NANIÉ!!!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

obrigada

Por me lerem tão bem. Por numa questão de minutos responderem às minhas parvoíces e me porem um sorriso na cara. Por se identificarem comigo e mostrarem que não estou sozinha, apesar de parecer, às vezes. Por me aturarem o mau feitio. Por assinarem comigo essa espécie de contrato. Por me mimarem quando eu preciso. Por me concederem esse privilégio de ser o meu dia de receber. Por me perdoarem os momentos em que eu falho (que não são poucos, e espero que perdoem mesmo... :S)

É muito cocó se eu escrever que espero MESMO que a vida vos dê o dobro da felicidade que desejo para mim? Se for, eu sou cocó anyway.... ainda que só de vez em quando...



[miss u...]

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

estou aqui!!!

Aqui mesmo! Não fugi, fui só ali a Luanda ganhar a lotaria e já voltei!
Nunca fui pessoa de jogar, mas desta vez perdi a cabeça... joguei 500usd e saiu-me uma prenda imensurável: sou saudável!
Depois da 5ª vez em repouso forçado, e decidida a que esta seja a última vez que o parasita me apanha, fui investigar a possibilidade de algum problema de saúde estar a provocar os sucessivos episódios de malária. E parece que não! Diz lá na folhinha de resultados que eu sou saudável, tal como seria de esperar de uma mocinha pucanina cuma ieu. Assim sendo, parece que o meu problema se reduz a um parasita safado que teima em resistir ao tratamento e a revisitar-me periodicamente, mas também parece que esta última dose de drogas foi potente, talvez até tenha sido letal! TOMA BANDIDO!!!
E ainda bem que não sofro mesmo de nadinha. Suponhamos que eu sofria do coração... tinha tido um piripaque no momento em que o senhor disse o preço dos mambos...

terça-feira, 6 de outubro de 2009

e vão cinco

Cheguei a pensar que não era desta. Convenci-me de que não ia poder contar cinco, pelo menos por enquanto. Mas afinal é verdade. 3 dias e 3 testes depois, afinal eram falsos negativos e os parasitas voltam a atacar!



sou mesmo um doce... a mosquitada não me larga...

terça-feira, 29 de setembro de 2009

actualização

... e a saga continua!

Valha-me nossa senhora da boa memória, que eu acho que estou a ficar com Alzheimer!
Se calhar até é melhor assim, porque ninguém pensa que é algo pessoal... eu consigo mesmo esquecer-me de todos!
Ontem foi a vez do douradinho ser esquecido por mim. Logo ele, que é o meu fornecedor de boa música preferido... shame on me devia ser o meu lema! Desculpa só, não foi por mal. Eu sei que as desculpas não se pedem, mas é o mínimo que posso fazer, por isso tenta lá perdoar e aceita os meus Parabéns atrasados e o desejo de que uma semana nada menos que excelente, para compensar...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

What goes around, comes around

Sempre achei que o universo tem uma forma misteriosa de ajustar contas.
Não que ache que se faz justiça no final, ou que haja uma entidade provida de consciência moral, lá em cima, a fazer justiça por nós ao longo das nossas vidas. Forma misteriosa no verdadeiro sentido da palavra - para mim é um mistério! Estou a milhas de perceber os intrincados mecanismos pelos quais ele consegue fazê-lo, mas acredito mesmo que o universo o faz de uma maneira ou de outra e não me cabe a mim descobrir como.
Colhemos mesmo o que semeamos. Temos mesmo, nada mais, nada menos, do que aquilo que merecemos. E estas questões karmicas não me fascinam ao ponto de investigar o assunto (nem sequer em part-time). Ultimamente, tem havido um rebuliço. Os períodos extraordinariamente bons disputam o espaço com as coisas menos boas a uma velocidade incrível. Quase nem tenho tempo de gozar um momento para estar já a viver o oposto. Vá-se lá saber porquê, que isso para mim também é um mistério, e o melhor é não perder muito tempo com questões que me queimem muitos neurónios.
Itálico
A verdade é que há muitas novidades, mais do que aquelas com que consigo lidar e nem dá tempo para estar a divulgar. Mas, assim de forma resumida, limitando ao essencial, e por ordem aleatória de importância:
- estou cada vez mais forte, porque vou ao ginásio todos os dias;
- ontem chegou a pequenita S., assistente incompetente (para prestar auxílio pessoal e profissional);
- eu tenho TUDO;
- a CML está a descobrir o outro lado e a adorar, e a fazer um brilharete lá na mãe FEP, e eu cheiiiiinha de orgulho;
- o fim-de-semana em nãoanda (citando o meu caríssimo Z.) foi de chorar - por mais, nalguns sentidos; chorar (só), noutros;
- SUKUYANGUE - OMG, em Umbundo (obrigada Z.);
- tenho produzido como se não houvesse amanhã, o que é bom, mas ainda assim tenho que comer muita sopinha para chegar ao objectivo, o que é mau...
- hoje um dos meninos novos faz anos, por isso há festarola;
- continuo sem tempo para quem mais o merece (shame on me);


- e voltando ao assunto do início, quase um ano depois, depois de barafustar contigo porque te esqueceste de mim (puro ciúme porque falaste do outro menino e de mim não), esqueci-me eu de ti... shame on me, again... logo de ti, que és o number one e não merecias! Parabéns, sim!
Espero que toda a gente tenha o bom senso de não te impingir uma daquelas ideias pré-fabricadas tipo "já está na altura de ganhares juízo", porque sei quanto foges à regra e acredito que assim é que vais ser feliz. És anormal e eu gosto, por outras palavras!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Hoje o dia foi produtivo.

Conferi coisas. Imprimi relatórios. Redigi propostas. Marquei uma viagem. Planeei o fim-de-semana. Comprei o bilhete. Reuni documentos. Falei com a mom. Completei trabalhos pendentes. Mandei recados para a vó. Conheci gente nova.
Lembrei-me de coisas de que me tinha esquecido. De que nunca me tinha esquecido.
Senti-me bem com o meu trabalho.

hoje o dia foi produtivo!



[se me leres, nina, parabéns para ti... esqueci-me na segunda, mas lembrei-me hoje]

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

novos capítulos

É demasiada informação para eu processar assim!!!

Primeiro porque não estou habituada a coisas assim: novos capítulos que não fui eu que desencadeei e sobre os quais não tenho qualquer tipo de controlo. Concretizando, os meus meninos foram! Quem me lê desde o início, sabe. Foram os meus companheiros por quase um ano. Vivemos juntos aqui este tempo todo. Foram muitos mata-bichos, muitos almoços, muitos jantares, muitas fotos da varanda, muita pastelice no sofá, muita cumplicidade, muita parvalheira, muita mimalhice, muito corta-na-casaca, muitos coisos de chocolate, muita gargalhada! Muito tudo para se esquecer assim, de um dia para o outro, e tentar começar outro episódio com duas pessoas novas. Mais dois que não conheço e com uma responsabilidade acrescida - é que eu agora já tenho um ano de experiência, e sinto-me na obrigação de os adoptar!

Por outro lado, hoje vi novidades noutro sítio. Novidades de pessoas que estudaram comigo. Pessoas que estão pelo mundo fora também, que seguiram as suas vidas e que mudaram. Uns mais, outros menos, mas todos mudaram, todos têm novos objectivos, uns continuam juntos, outros separaram-se. E é sempre um choque receber notícias destas! De gente que se casa, de gente que tem filhos ou vai ter! É lindo ver estas coisas, mas não deixa de ser um choque! E está tudo a mudar!


mas duas das minhas muletas foram, e ainda não sei se sou capaz de caminhar sozinha...

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

57 anos

Pensei em falar no simbolismo do número, mas tive demasiadas dúvidas. Devo conjugar as interpretações do 5 e do 7 ou fazer 5+7=12=1+2=3? Ou usar os dois métodos e interpretar todos - 3, 5 e 7? E que raio pode ter verdadeiramente a ver a simbologia dos 3 números com mais um ano na tua vida? Além disso, já viram o que significa? Trindade, aventura e perfeição? Como interpreto isto verdadeiramente e encontro uma forma simples e bonita de te lisonjear com base nisto?

Então pensei em falar na tua vida. Como cresceste no pior dos contextos. Qual era o tua alcunha em criança (a ceboleira). Como tinhas uma personalidade irrequieta e descontraída. Que eras maria-rapaz, que corrias atrás dos outros miúdos, eras uma bully! Como te foste tornando feminina, independente, determinada, reivindicativa, forte e decidida.
Depois pensei como são surpreendentes as coisas que me fazem rever em ti. Esta força (às vezes imparável) de origem desconhecida, a proximidade que o coração tem da minha boca, o descaramento e a capacidade de acreditar e de fazer tudo por aquilo em que acredito. Mas também a vulnerabilidade. Partilhamos esta sina de levar a peito tudo à nossa volta e não ser capaz de o manifestar. De nos sentirmos frágeis e o esconder de todos, como ninguém.
Isso só se sabe porque nos conhecemos para além das palavras, além do carinho e muito mais longe que os abraços, mesmo daqueles que só são possíveis entre mãe e filha.

Mas isto é tudo uma piroseira!

E se não fosse piroso, dir-te-ia o quanto te adoro. Gritaria o quanto te amo para todos ouvirem. Se não fosse muito piroso, dizia-te o quanto te admiro e que, ao contrário do que aquelas pessoas dizem, adoro o facto de não teres estudado, adoro o facto de seres apenas uma empregada doméstica. Adoro o facto de seres humilde, verdadeira e cruelmente honesta.
Se não fosse mais piroso que um coelho de pelúcia abraçando um coração oferecido futilmente no dia de S. Valentim, falava-te do orgulho que sinto por tudo o que representas.
Se não fosse muito piroso, lamentava todos os dias que sofreste para me teres aqui, para teres a vida que tens. Lamentava as tuas cicatrizes, lamentava as tuas dores e as tuas mágoas.
Se não fosse assim mesmo piroso, lamentava tudo o que é mau, mas agradecia por tudo. Porque isso faz de ti a mulher que eu quero ser quando for GRANDE.
E se não fosse um exagero, até dizia que nada do que eu faça vai alguma vez ser suficiente para me sentir tão boa como tu.


Mas como é tudo muito piroso, vou apenas ligar-te daqui a pouco e dizer. "Parabéns mãe!"

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Eu sei, eu sei.... fez um ano, ontem, nem comemorei, nem escrevi... há dias assim...

Até ia escrever sobre as minhas inquietações há um ano atrás, as certezas e as incertezas, e fazer um belo paralelo com o momento actual, as conquistas e os redondos-e-atribulados-falhanços, as (in)definições de hoje e as previsões para o futuro.
Mas não me apetece! Porque isto é um vira o disco e toca o mesmo. Mudam-se os tempos, os lugares, as pessoas, mas mantêm-se as dúvidas, as paranóias, as esperanças e os desejos... vão variando é os motivos.
Cresci em sentidos e aspectos diferentes dos esperados, mas cresci! Boa! Palmas para mim, e para todos os que me levam à boleia.




[still, aviso quando souber quem sou]

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Note to self

Pessoas peritas em avaliação de carácter... elas andem aí!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

so it seems

Parece que é digno de nota, e a pedido de muitas famílias aqui fica o registo.
Há coisa de 3 semanas fui entrevistada para a rádio Morena Comercial, em directo, e falei sobre auditoria financeira... ou tentei...
A política, como sempre, fala mais alto. Aquilo que podia ter sido uma boa oportunidade de divulgar e desfazer mitos em torno do papão-auditoria revelou-se uma mera tentativa de tirar nabos da púcara com a pessoa errada. É que ultimamente, esta história da auditoria tem sido notícia por estas bandas pelas mais polémicas razões - boatos de auditorias movidas por suspeitas de desvio de fundos, corrupção, abuso de poder e coisas afins. Coisas más.
E uma mocinha apanhada no meio do tiroteio, pressionada a tomar partidos!

não-valá-pena!



Já na última semana a novidade fica-se pela ponte. A ponte 4 de Abril, na Catumbela, foi finalmente inaugurada na 5ª-feira (feriado pa nós... yey!!!). Obviamente não fui à cerimónia, que eu sou alérgica a multidões, mas já fiz a travessia no fim-de-semana e fiquei com os registos fotográficos, mas esqueci-me de trazer, por isso as imagens ficam para o próximo post!

terça-feira, 8 de setembro de 2009

É daquelas coisas que me arruma por completo. É um murro no estômago de cada vez que me lembro. Sempre que penso que ela, um dia, vai desaparecer. Tenho uma crise de ansiedade sempre que penso nisso e é difícil conviver até com essa hipótese. No dia em que a vez dela chegar, não me imagino a chorar, não me imagino a gritar, não me imagino a arrancar cabelos, não me imagino a irar-me e destruir tudo à minha volta. Imagino a apatia. Imagino o vazio. Imagino o abandono. Imagino a impossibilidade - de seguir e de sorrir.
Hoje foi a vez dessa tua pessoa e não há nada que possa dizer que tu não saibas já. Lamento.
E gostava de estar aí para te abraçar, fizesse um pequeno abraço toda a diferença.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

novidades e afins

Ontem fui ao ginásio!!!
Decidimos mexer-nos finalmente, e apesar de o ginásio que foi a nossa primeira escolha continuar fechado, fizemo-nos à vida e fomos pó outro - um pouco mais caro, mas tem pinta! Tem uma vantagem até (para mim, que sou recém-nascida para este novo mundo do workout): um treinador a dizer-me o que fazer! Perfeito!

... and now for something completely different... (os afins)

(mas continuando na onda da lamechice da semana passada!)
Hoje a minha M. faz anos!!! E a minha M. é uma das minhas pessoas preferidas!
Se há gente genuína no mundo, é ela. Palerma como só ela, é verdade, mas isso somos todas. É uma petite chanteuse e dona da melhor gargalhada do mundo (eu sei, eu conheço todas).
Partilhamos a capacidade de ver a verdade nua e crua e de a assumir como tal, ao mesmo tempo que pintamos a realidade com cores impossíveis. Pois é, somos complexas...
E ela gosta de cães e de gatos como eu... e de todos os animais fofos que não voam!
E tem as mãos mai-bunitas do mundo! E as unhas mais perfeitinhas do mundo!
E é uma mulher viajada e eu invejo-a milhões por isso.
E por isto e muitas mais coisas que não posso estar agora a enumerar, porque eu até trabalho e tudo, é que lhe desejo aqui um bom dia com alegria. E coisas boas com fartura (ou com outro doce qualquer... pastéis de belém, ou crepes, ou cheesecake, como preferires! hoje és tu que mandas!).

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

:P

ela: "não sejas assim! és mau!"
o ex: "pois sou! mas tu não gostas de mim murcho!"
ela: "eheheheh... feios, porcos e maus fazem mais o meu género..."
o ex: "isso é recente... no meu tempo era só a parte dos maus..."


e assim nasce uma gargalhada...

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Agora sim!

Cheguei!

Não ter as minhas coisas comigo era algo que me impedia de me instalar verdadeiramente e é como se a minha chegada estivesse pendente pelo atraso da minha bagagem...
Hoje finalmente chegou. Depois de muito ter viajado (ou não) a minha mala chegou sã e salva.
Desde que viajei pela Air26 esta tornou-se a minha companhia favorita em Angola, e eu sabia que não era por acaso - a ser salva, tinha que ser por eles, que amavelmente me devolveram a minha vida esta manhã.

Agora, se me dão licença, vou ali fingir que trabalho enquanto conto os minutos para sair daqui e ir para casa arrumar as minhas coisinhas... *.*

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

eu sou desnaturada

... mas ela gosta de mim assim!!!
Sou um bocadinho convencida, mas é assim mesmo, juro!

Desde não-sei-quando (tenho que ir ali ver a data do 1º post... só uns segundos... volto já...... ok... 19 de setembro) escrevo neste coiso e, ao que parece, nunca falei da minha Bia, e por causa disso, recebi uma reacção destas:
"Falou para a Silvia, neste momento encontra-se a amuar, por favor deixe mensagem após o sinal, Obrigadaaaa (msg para ser lida com voz sexy)"
Por isso, e apesar de saber que as desculpas não se pedem, em jeito de compensação, tenho todo o prazer em postar um texto inteiramente dedicado à minha Bia.

Se não me lembrava da data do primeiro post, muito menos me lembro da data exacta em que nos conhecemos, dado que os mamutes ainda respiravam e já nós eramos as melhores amigas...
Atravessámos juntas a idade do armário, enfrentando lado-a-lado os adversários desses tempos. Distanciavamo-nos da maioria, admito, porque eramos diferentes, sempre gostamos de ter opiniões próprias. Pensávamos sobre a vida e o futuro mais que o habitual na nossa geração e apoiavamo-nos mutuamente em tudo o que nos dissesse respeito. Nunca pusemos de lado a nossa individualidade, e cada uma de nós tinha visões diferentes, constantemente debatidas, o que nos levou (acho eu) a crescer muito uma com a outra.
Ela sempre foi a que mais sofreu. Mas não acho que tenha sido apenas isso que a tornou quem é. De certa forma, acredito que a mulher forte e decidida que vejo hoje estava dentro dela desde que nasceu.
A dada altura, seguimos caminhos diferentes. Eu dediquei-me inteiramente ao meu rumo, mas nunca perdemos o contacto, nunca deixámos de assegurar que a outra estaria bem, ainda que menos íntimas que outrora.
Nos tempos de crise, procuramos sempre o nosso porto seguro. Ela é o meu.
É a minha outra mana, só de coração.
Felizmente, nos últimos 2 anos temos estado próximas como nunca, e ela é uma parte imprescindível da minha vida. Por isso é que não preciso de escrever mais sobre ela.

As verdades indiscutíveis são assim mesmo. Não carecem de comentários.


Ora toma!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

caca

A minha mala anda a viajar por Angola: já esteve no Lubango e agora voltou para Luanda, agora dizem que talvez amanhã aterre finalmente em Benguela, mas não estou muito optimista...

... acho que vou começar o luto! :'(

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

podia ter sido perfeito

Não fosse a mala ter ficado no Lubango. De resto, tudo impecável... só umas horas de sono, e estou de volta ao trabalho cheiiiiiiiinha de força! :P

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Quantos somos hoje?

Hoje é dia de show-off


Alegrete

Marvão

Castelo de Vide

Nisa

E dizer ao menino "oh... ah... blablabla" é saudável e recomenda-se a pessoas com o meu grau de palermice...


[o porco já levantou vôo]

terça-feira, 18 de agosto de 2009

férias

As palavras são daqui, e descrevem melhor do que se me ocorre a última semana....

A semana foi de :

- calor (humano e não só!)
- gargalhadas (de todos os estilos e variações)
- sorrisos
- amizade
- água e chuva
- barbaridades (das boas)
- pessoas simples que nos ensinam o que realmente interessa
- crianças (e o que despertam em nós)
- conversas “para a cabeça” (não muitas, mas intensas e que mexeram comigo)
- castelos e casinhas brancas, lindas
- “kinders” LLLOOOLLLL
- bóias e sofás insufláveis que pereceram na batalha
- egoístas e altruístas
- pipocas e papoilas
- panachês e sangria
- música … para quase todos os gostos
- falhas de memória
- reencontros
- caminhadas
- estrelas cadentes e chuva de meteoritos
- manicure
- pequenos almoços maravilha
- rasgos de paz em que o mundo à volta simplesmente não existia

Eu estou grávida, qual é a tua desculpa?



E parafraseando (mais uma vez) a luxana-banana, "OBRIGADO a todos os que nos "adoptaram" nem que fosse apenas momentaneamente!"

Continuo a achar que devíamos ter feito um diário de todas as situações caricatas, em especial as relacionadas com as frases existentes apenas na Luxipédia, porque acho que vai ser difícil pô-la a repetir tanta coisa gira p'ra se dizer... ainda assim, o prémio vai para a I., com a já célebre "temos o pipi à mostra"... (tinha MESMO que divulgar esta...)

Memorável, e a acrescentar à lista, só tenho (assim de repente) o boobs flash da L. na Portagem aos velhos idiotas que pensavam que nós só falávamos português (e cuja nacionalidade não vou revelar, para não parecer xenófoba); as ruas íngremes; a preocupação do mano da F. com os comentários e olhares dos meninos alegres e a consequente dissertação das gajas sobre não olhar para as mamas das gajas enquanto se fala com elas; a enriquecedora discussão sobre OPÇÕES (sociais, não as financeiras); falar das xuxas como se não houvesse amanhã; a arte imensa e subaproveitada de Nisa e uma sociedade como se pensa que já não existe; as P. (ou uma boa parte delas) a cantar o "Amanhã de Manhã" no Karaoke de Alegrete, arrasando por completo a competição ;) ; o brunch no café austríaco; o fado; o bairro alto em saltos altos; ser atirada e atirar a M. para a piscina; ser uma azeitona (ou coisa que o valha) e uma pistachia; aprender um pouco sobre a vida dos Gormitis graças ao M. e o seu dedo que NÃO podia ser cortado; os pequenos-almoços dignos de deusas; os jogos de UNO; o ralo na piscina, um lugar (im)provável para ter um ralo?; os canitos recém-nascidos; o Castelo de Alegrete, o Castelo de Marvão e o Castelo de Vide...

e para a próxima coloco mais fotos!

domingo, 16 de agosto de 2009

de volta


De volta à minha cidade e ao meu rio (again...) depois de umas mini-férias lá pro sul.
Cá por dentro grito a plenos pulmões, mas quanto mais grito, menos escrevo. Indeed. Prometo que vou fazer um esforço por contar tudo em breve. Por enquanto, deixo-vos espreitar só um bocadito...
























quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O copo meio vazio

Ainda faltam umas sapatilhas e umas sandálias (rasas)!!!









(... mas estas Melissa Harajuku já são minhas... *.*)

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Então até já, sim?

domingo, 26 de julho de 2009

Normalmente

Não gosto dos Domingos. Porque significam que amanhã é Segunda.

Mas hoje não é um domingo qualquer... hoje é o último domingo antes da última semana antes da viagem de regresso. É também o último domingo da missão "Moça regressa Morena"... este último fim-de-semana, aliás, foi inteiramente dedicado a esta missão. E devo dizer-vos (para não criar falsas expectativas) que podia ter corrido melhor, mas para uma moça com a minha tonalidade habitual, parece que deixei de me banhar em lixívia há vários meses!!! (Como diria o meu camarada H., estou "menos mal"!)

Amanhã, começa o workshop "Como sobreviver na minha ausência", que imagino que me irá ocupar umas boas 16h diárias, por isso desejo-vos já uma boa semana, boas viagens, boa praia e bons festivais, para o caso de não conseguir fazê-lo ao longo da semana. Isto porque, a adicionar à falta de tempo e aos constrangimentos habituais desta terra, eu tive a bela ideia de andar para aqui a instalar umas actualizações que agora me boicotam o internet explocenas e me impedem de comunicar em condições mais normais...

Fazer?

Mais?

Como?????

sexta-feira, 24 de julho de 2009

:O

Hoje podia parecer que fizemos a diferença.
Pela primeira vez em 6 anos (consta-se), todo o mundo lá do Gabinete foi convocado para uma mega-reunião para salientar a importância do nosso trabalho (nosso = o daqueles que vieram para ajudar), e facilitá-lo por todos os meios possíveis.
Quem visse o cenário montado (que até exigiu a marcação da Sala Grande para albergar toda a gente), e não pudesse ouvir o que por lá se dizia, até acreditava que finalmente tínhamos tomado o rumo certo!!!
Quem ouviu efectivamente, só posso acreditar que achou ali uma oportunidade para desabafar as suas preocupações com os constrangimentos últimos nas disponibilidades financeiras e ignorou tudo o resto - o verdadeiro propósito do encontro!
Enfim, diz-se que o que importa não é o destino, mas o caminho percorrido. Se é mesmo assim, deviam ter-me avisado que isto era uma prova de corta-mato. :S

quarta-feira, 22 de julho de 2009

portuguese mode: ON

Chegar. Abraçar. Beijar.
Almoçar com a avó. Visitar os tios. Visitar as primas. Visitar os primos.
Sair com a coisa-mai-linda. Ir ao cinema. Jantar no McDonald's, no Japonês, no Vitaminas, no Vegetariano, no Tailandês. Ir até à baixa. Comprar roupa. Comprar livros. Comprar um relógio. Comprar montes de coisas que me vão parecer essenciais na hora em que as vir. Ouvir as novidades. Contar as experiências.
Conduzir. Sair à noite. Dançar.
Viajar horas. Cantar. Dizer palermices. Fazer ainda mais palermices. Rir. Dormir naquele sítio pacífico. Relaxar na piscina. Relaxar ao sol. Fotografar montes de coisas. Comer toucinho do céu, serradura, rebuçados de amêndoa, espetadas de touro bravo, secretos de porco preto e migas.
Voltar à cidade. Mais cinema. Mais jantares. Mais dança. (Despedida...)


[e não há muito mais a preencher-me os pensamentos...]

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Isto é Angola?

No sábado passado um sujeito entrou no Hospital Geral de Luanda e violou uma senhora lá internada, em estado de coma. A família da Sra. apanhou o sujeitinho em pleno acto e ele já foi detido pela Polícia. Os media sondaram a família e passaram a entrevista com o marido da vítima, que anunciou que a culpa é do governo e que já não quer aquela mulher - a culpa é do governo, o governo tem que lhe dar uma nova!
A pobre Sra. acabou por falecer hoje.

Pronto, posto isto, vou até ali fora. Gritar. Muito. Até desmaiar, talvez.

[wtf?]

terça-feira, 14 de julho de 2009

dezoito

São os dias que faltam para me veres sorrir!
Não porque não sorria já, mas porque vou sorrir ainda mais.
Os dias vão correndo. Tem havido pouco tempo para fazer contas ao tempo, embora a consciência seja plena de que está próximo.
Assim, os últimos fins-de-semana têm sido pacatos, aqui pelos arredores da cidade, e aproveitando bem os últimos dias de calor daqui, antes de ir experimentar os dias de calor daí.



[c u soon]

quinta-feira, 9 de julho de 2009

=^.^=

Mais do que saudades de fazer efectivamente as coisas, tenho saudades de saber que as posso fazer a qualquer momento.
Também tenho saudades da caneca de hidromel, das piadas só nossas, da tenda de Kizomba, do yoga ao final da tarde, das mazurkas, dos pés inchados, dos chuveirinhos para assentar o pó, dos batuques preguiçosos de início de tarde, da mulher-violoncelo, das benditas pétalas de chocolate e dos concursos de prato-mais-bonito.
Tenho saudades daquele buffet japonês, do trattoria, do indiano, do shis e do tailandês (saudades de jantar no restaurante errado). E ainda mais do cinema todas as semanas, e de planear idas utópicas à Rota dos Chás, e dos vegetarianos e as suas sobremesas... hummmm.... e de falar à desenho animado! E de cantar.
Da sangria e da caipirinha do St. Patrick's, e da viagem de ida e de volta, e de esperarmos na fnac enquanto o carro é lavado! De dar indicações à Lux! De pedir direcções à Xana Guida!
De estar lá, na gravação do video do wegue-wegue e de essa se tornar a banda sonora das minhas despedidas, de seguirmos para a Azurara e de estares com dores nos rins!
E de combinar mil cafés com mil pessoas e acabar por nunca ter tempo, ou disposição.
E de receber um telefonema a meio da noite e sair a correr. E conduzir...
De fazer mais de uma hora de viagem sozinha depois de um dia de trabalho e ser a gaja com mais pica da casa! De não haver nada que me faça parar!
E de te enviar uma mensagem com a hora da sessão e dar um toque para desceres. De dançar sozinha no carro parado no meio do trânsito! De sairmos e nos rirmos de toda a gente. De seres tu quem põe a música no meu carro. De ir a um festival com os teus amigos e confundir-me com eles. De sermos fotografadas a arranjar as unhas. De vermos a Su ser levantada no ar mesmo lá à frente. De termos de recuar para nos afastarmos da confusão. De lermos folhetos que incentivam o uso de drogas (hihihi). De comer pizza. De comprar rebuçados de ervas (;)) ranhosos. De não conseguir parar de rir...

Não porque efectivamente os tenha vivido anos a fio, ou sequer por ter a certeza de vir a repetir... mas porque não faz parte da minha (pequerrucha) lista de opções aqui.

In a while, crocodile!




(isto sou eu a ser feliz)

sexta-feira, 3 de julho de 2009

No regresso

Parámos no Miradouro da Lua.
Diz quem já esteve na lua que esta paisagem é tal e qual...




Posted by Picasa

Parte III - Cabo Ledo a todas as horas




Posted by Picasa

Parte II... by night




Posted by Picasa

Cabo Ledo By Day

Estava prometido há bué!
Mas a culpa não foi minha, o Senhor caríssimo com K é que atrasou... mas não há maka!
Aqui fica então, o belo do registo fotográfico do fim-de-semana em Cabo Ledo:
Parte I
O corredor, a decoração, a praia e os bungalows.





Posted by Picasa

sexta-feira, 26 de junho de 2009

New shoes!



















Cá estão eles!
São os sapatos mais caros da minha vida, e não me importo.
Porque nada como sapatos novos para levantar os ânimos!
E porque não comprava miminhos há mais de 5 meses...

terça-feira, 23 de junho de 2009

bem lembrado

Há um ano comemos caldo verde e ouvimos música popular em águas santas!!!
E estendemo-nos a apanhar sol naqueles coisos flutuantes do rio no dia de S. João!

E depois aconteceu tudo.
E já nenhuma de nós faz parte daquela vida.

E isso é bom!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Arejar

Mudar de ares é sempre uma coisa boa, em especial com tanta diversidade - um cheirinho de caos, um sabor a mar, uns minutos zen!
(um copito de vinho, uns mimos da bruna, uma musiquinha ao vivo, um bar a estrear, um repasto diferente, ...)
Voltei cheiiiiinha de genica (apesar do dedo-batata) e com um pouquinho mais de cor, cainda deu para passar umas horitas na grelha.
As fotos ficam para outra altura, quando o caríssimo com K enviar!


Hora de voltar à realidade e felicitar (tardiamente) duas pipoquitas, por mais um aniversário (embora elas não aprendam com o tempo e continuem a ser, ainda que à distância, as minhas assistentes incompetentes!).


Olha, M., já reparaste que está ali um pontinho no mapa que és tu! :P



Ai, que já me esquecinha!
Fui dotôra e doutorinha
Já fui Li, Lili, Liana e Lianinha
Noutros lados sou Pocahontas, Maria ou Pipoquinha

Outro dia fui princesa

E agora sou Zé Manel

(e hoje estou palerminha! diz qué cansaço!)

sexta-feira, 19 de junho de 2009

O moça nasceu

Não foi uma gestação difícil.
Teve os seus momentos, como tudo na vida, mas foi relativamente estável, sem ameaças ou falsos alarmes, e sempre acompanhada dos melhores especialistas no assunto. Apesar do planeamento apressado, tudo acabou por correr bem, e o parto, esta semana, não podia ter sido mais fácil.
Agora, já nem tudo é desconhecido e muita coisa já nem soa estranha, mas há tudo para aprender. Por isso, resolvi mudar de cara, a ver se me inspira na nova existência!
9 meses desde que entrei em Angola e vou comemorar a Luanda.



Também há cada vez mais cantos púrpura no mundo, mas é sempre bom saber a gargalhada e o baile e a música que nos esperam no reencontro. E é bom saber, sobretudo, que o facto de estarmos em 3 continentes diferentes ainda assim nos une.

terça-feira, 16 de junho de 2009

O Melhor e o Pior

Já há uns tempos, recebi um pedido aqui no blogue de explanação do melhor e do pior que se pode esperar de Benguela/Angola.
É uma tarefa difícil, na verdade, porque sei que me vou esquecer de uma ou outra coisita e porque nem sei por onde começar, mas cá vai a tentativa.

Primeiro o Pior

1. A chegada
A chegada é chocante. O aeroporto de Luanda. As filas. As gasosas. Os putos a querer levar-te a mala, o relógio e o dinheiro. O engarrafamento. A desorganização - mais: o caos!

2. As condições básicas
Para quem vem de fora, com as coisas bem planeadas, nunca é "assim tão mau", mas o facto de coisas básicas falharem é grave - a água, a luz, o saneamento, os esgotos ao ar livre, as pessoas a despojar os seus produtos biológicos por tudo quanto é canto...

3. O transporte
Não há uma rede de transportes públicos. Quem estiver sozinho e não conduzir, tem que usar o candongueiro ou o cupapata para se deslocar, em condições para lá de precárias.

4. As comunicações
Às vezes, pura e simplesmente, não se consegue fazer ou receber chamadas, fica-se incontactável. Faz-nos pensar no que acontecerá se isso se passar numa situação de emergência.

5. As actividades culturais
Faltam actividades: cinema, teatro, música, ar livre, actividades que tirem partido de um dos maiores bens deste país - a terra.
Faltam espaços, diversidade de espaços, livrarias, bares, diferentes conceitos, mais globais.

6. O conformismo
Esta incapacidade de reacção. Esta acomodação. Quem não conhece melhor, é natural que não saiba o que perde, mas para quem sabe um pouco do que é o resto do mundo, isto deixa muito a desejar, e é complicado lidar com a sensação de impotência em relação a hábitos e condições instituídas.

7. O gap
Não é preciso estar muito atento para perceber as disparidades neste país. Benguela é uma cidade pequena, a maioria da população é muito pobre, mas não deixam de haver carros de topo, novinhos em folha (Cayenne, Q7, Ferrari, Corvette, ...) e telemóveis de topo, apesar de aqui custarem mais ou menos o dobro do que custam em Portugal (já vi aí uns 5 ou 6 iPhone).
Não é um cenário estranho ver um balde do lixo a ser vasculhado por alguém esfomeado, nem é estranho ver um tipo sair de uma bomba a falar ao seu telefone xpto.

8. A injustiça
Quem está no topo trata frequentemente os outros de forma discriminatória e insultuosa.

9. A incapacidade
De olhar em volta e ver como aproveitar tudo o que este país oferece, o clima, a fauna, a flora, e de ver como é ridículo depender do exterior nalguns fornecimentos quando aqui há a melhor matéria.

10. Os preços...
Aqueles financeiros, aqueles económicos e aqueles emocionais. É tudo muito caro.

Agora o melhor(zinho)

1. A praia
A costa é lindíssima, o cenário é paradisíaco. Seguir trilhos esbatidos para desaguar numa praia pseudo-deserta, apenas acompanhada de meia dúzia de cabanas de pescadores, e peixes a secar silenciosamente ao sol. A água é rica, límpida e quente (spa-style).

2. O Lobito
O Zulu e a esplanada do Terminus são os nossos spots favoritos - conforto, paisagem e praia reunidos é difícil de bater. As ruas arranjadas e com o melhor aspecto que vi até agora em Angola também são excelentes.
A proximidade do porto é conveniente, faltam menos coisas.
O Lobito tem o melhor supermercado aqui da zona, pelo menos nos parâmetros de um supermercado europeu normal, tanto em termos de organização e qualidade do espaço como da variedade e qualidade dos produtos oferecidos.

3. O deserto
O deserto é rico. Único. Só visitando, mesmo....

4. O Lubango
O Verde e o frio. A simpatia desmedida.

5. A genuinidade
Das crianças. Um olhar carinhoso. A capacidade de ser feliz com um aceno. De sorrir com um cumprimento. De ser feliz a cantar, à boleia numa pickup, como a jogar à bola.

6. O optimismo
Acreditar que tudo está bem, e viver cada um na sua paz.

7. O companheirismo
O facto de um amigo ser amigo para a vida. De se adorarem e não terem qualquer preconceito em mostrá-lo.

8. A peculiaridade
Da cultura. Ser tão livre numas coisas e tão conservador noutras.
O misticismo e o cristianismo. A devoção e o feitiço.

9. A comida
O peixe, o marisco, a fruta, o pão, os verdes e o feijão.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

as hérnias

Este é um assunto ao qual não se presta a devida atenção.
As hérnias existem (elas andem aí!), fazem companhia a muitos de nós e devíamos falar sobre elas, porque nunca se sabe quando uma delas se vai cruzar no nosso caminho.
E porque acho que as pessoas deviam dar-lhes mais atenção, aqui fica uma coisa que aprendi na passada 2ª feira (também aprendi que sou bonita, mas isto ficará para outras núpcias...):
Bom, o que acontece quando há uma ruptura da matéria pulposa que temos entre duas vértebras?
Acontece pois que, ao sair, o núcleo do disco pode causar compressão das estruturas neurológicas (ou até inflamação), provocando dor!
O diagnóstico não carece de radiografias e o tratamento é aparentemente simples: repouso, calor, gel e analgésicos... além de dormir no chão...

E vão 2 pontos para quem adivinhar a correlação entre hérnias e paludismo!

Quem conseguir, recebe ainda, totalmente grátis, impresso em folha-do-quê e escrito em letrinha dourada, um magnífico certificado aprovado por um Ministério xpto qualquer, que o habilita a exercer medicina...

segunda-feira, 8 de junho de 2009

"A história faz-se pelas nossas mãos e pelas mãos daqueles que seguram as nossas"

Fim-de-semana de sair e ouvir simpatia.
De pensar e de reflectir e de relembrar conversas profundas.
De discutir o ser e o não ser. O de vir ou não a ser.
De arranjar uma nova família e ter um novo nome (uma para adicionar, nunca para substituir).
De adorar conhecer gente nova e aprender mais um bocadinho sobre os outros e sobre nós.
De ser uma bêbada feliz.
De cozinhar e ver cozinhar.
De peixe e de marisco.
De gostar de ser, independentemente do que possam pensar.
De ser maior dentro de mim.
De ouvir como sempre.
De falar mais que nunca.

E chegar e relembrar as coisas comuns, ler o que penso pelas palavras de quem me conhece.

(já falta menos para segurar as vossas mãos... posso viver a tua casa? =^.^=)

quarta-feira, 3 de junho de 2009

frio?

Não sei se veio para ficar, mas chegou o cacimbo.
Tive frio ao final da tarde, tive frio à noite, tive frio de manhã. Embaciei o espelho com o banho (não o fazia desde Portugal).
Sabe bem um casaco, sabe bem o pijama, sabe bem ficar na cama.

Segunda-feira foi feriado. À semelhança do Dia Internacional da Mulher, também o dia da Criança é feriado em Angola. Compreendia esta necessidade, se de facto se parasse para reflectir e descobrir soluções para os problemas das principais vítimas deste sítio: as crianças e as mulheres. Ao invés, suspeito que sirva apenas de pretexto para fazer mais umas festas, gastar mais uns milhões, beber mais umas cucas. Porque, por mal que se esteja, aqueles que desejam manter as coisas como estão continuam a ser a maioria.

Segunda-feira da semana anterior também foi feriado, dois fins-de-semana prolongados seguidos (algo improdutivos) terminam a bela saga dos feriados angolanos, por enquanto... parece que não há mais feriados até às férias, o que me deixa ligeiramente nostálgica por não ter aproveitado melhor os fins-de-semana grandes até agora, mas lá terá que se arranjar um jeito de ir fazendo coisas diferentes.

Benguela está em obras.
Parece que está a ser esburacada para onde quer que vamos.
Além disso, estão a nascer sinais de trânsito, daqueles que nos proíbem de virar à esquerda.
Por isso lá fomos mandados parar pela polícia de trânsito, depois de uma pequena infracção. O meu colega condutor teve que sair do carro para ir confirmar que o sinal estava mesmo lá (tal como o condutor da frente), e enquanto isso, o passageiro do carro da frente proporcionou-me esta pérola da conversa angolana:

"Este quer é gasosa.... por isso é que este país não vai a lado nenhum!!!"

(e acrescenta, atentem....)

"Ainda vai haver a 3ª guerra mundial aqui em Angola!"

(Acho que o melhor a fazer é não pensar muito e sorrir com estes momentos...)


Outra coisa gira do fim-de-semana foi finalmente conhecer a Marianita, a mais nova imigra aqui do sítio, um docinho de bebé! :P

E finalmente temos Nespresso (iupiiiiiiiiiiiiii), o que significa que os Benguelenses vão conhecer a li-a-mil... be ready! (por estas e por outras é que tu és o mai-bunitu! muuuito obrigada!)


Para concluir, e dado o boicote total e inesperado da rede de telecomunicações angolana, queria deixar aqui os Parabéns aos sete-ventos para o Rei Leão, em nome da sua Pocahontas, porque não, eu não me esqueci, e porque sim, espero que tenha sido um dia perfeitinho (e sei que o foi, na companhia dos outros gomos do teu coração).
(E não penses que te livras da festa de arromba quando regressares! Pagas tu! :P)

Ah, e também ouvi dizer que sou mimada (can you believe it?)

terça-feira, 26 de maio de 2009

pfff

Fim-de-semana para comemorar o teu aniversário sem ti.

Pensei em ti (quase) o tempo todo, tentei lembrar-me de quando nasceste, e fui relembrando pequenos pormenores.

Lembrei-me das primeiras vezes que ouvi comentários empenhados em passar despercebidos, enquanto não havia certezas, para eu não criar a expectativa de vir a receber o que tantas vezes pedi: uma irmã.
Quando a mãe me contou, quando a mãe começou a crescer e como me falava de ti, que tu vinhas aí, que eu devia ajudar...
Lembro-me como foi um alívio quando souberam que não estavas doente, como se desconfiou quando nasceste, quando se percebeu como foi só uma história hilariante para contar mais tarde.
Adorei aprender contigo o banho, a muda de fralda, vestir-te aquelas roupinhas (embora raramente o fizesse) - aos meus olhos, eras uma entre as minhas bonecas, mas uma mais frágil, uma da qual todos tínhamos (mesmo) que cuidar.
Os primeiros passos, as primeiras traquinices - lembro quando me arrancaste um brinco da orelha, a brincar no meu colo. Fazeres queixa à mãe de tudo e de nada e acordares a meio da noite a gritar por eu te roubar batatas!!!
Lembro-me de quando mudaste de escola e não querias, porque tens uma particular aversão à mudança... lembro como te adaptaste e mais tarde confessaste que nem percebias porque não querias mudar, que tudo fazia sentido então...
Lembro-me como nos rimos e levamos os pais à loucura com as nossas parvoíces, lembro-me de não conseguir parar de rir e de como isso é uma constante na minha vida quando estou ao teu lado!
Lembro-me de estar deitada a chorar e de tu te deitares em cima de mim para me abraçar.
Lembro-me da última grande mudança na tua vida e lamento não a ter acompanhado, por ser uma boa parte dessa mudança. E surpreendes todos porque, apesar do teu medo da mudança, mais uma vez dás a volta por cima quando mostras as tuas cores e toda a gente se fascina!


(aishiteru... desculpa não estar aí para comer bolinho contigo)

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Só porque sim!

Só porque sim, ontem comprei formas para fazer fondant. Corrijo - compraram-me formas, forminhas, pequenas, tamanho-queque, para fazer fondant de chocolate, mas ainda não experimentei, por isso fiquem atentos.

Só porque sim, há dias fiz uma lasanha bolonhesa, e ninguém foi para o hospital com uma severa revolução do sistema digestivo, e melhor ainda, ninguém sofreu um choque anafilático...

Só porque sim, há tempos fiz uma coisa nova... fui ao ginásio (esqueci-me de vos contar... sorry)! E pronto, como nunca fui a um ginásio na vida, não tenho termo de comparação, pelo que posso dizer apenas que é simpático... experimentei a passadeira, a bicicleta e mais 4 máquinas diferentes: abdominais, coxas, braços e coxas. Foi engraçado, o ambiente é porreiro, o preço é acessível (cerca de 56€ mensais para 3 dias por semana), e sempre era uma coisa diferente para fazer ao final do dia... pena é que tenha fechado na mesma semana em que decidimos inscrever-nos, para manutenção/remodelação. E ao ritmo a que as coisas se passam por estes lados, lá para o dia de S. Nunca podemos contar com a reabertura... :S

quarta-feira, 13 de maio de 2009

rEvIgOrAdA

Isto começam a parecer relatórios quinzenais!!!

Ora, pois bem... já me recuperei totalmente do segundo boicote da mosquitada (desejosa de que não se repita, claro!) e já há muito voltei ao ritmo habitual!
Isto por aqui tem andado numa roda viva, tipo papel espalhado, lápis na orelha, trincar canetas, cabelo amarrado e óculos a cair... não sei por onde começar e estou longe de ver onde vai acabar, mas tasssssssssss... convivo bem com isso, e o tempo passa veloz-veloz!
Claro que não veloz o suficiente para me sentir próxima, mas veloz o suficiente para pensar que vai passar rápido e que logo-logo é Agosto...

Além disto, os fins-de-semana têm fugido à regra, e este último trouxe a novidade de uma praia pseudo-deserta verdadeiramente inacreditável! Entre outras descobertas, a Praia da Lua foi sem dúvida a vencedora, qualquer coisa de superior se passa ali e tudo se conjuga num ambiente e numa paisagem perfeitos... diria imperdível, mas sei que a probabilidade de vos convencer é muito reduzida! Não deixo fotos porque não tenho... e mesmo que tivesse, não captariam aquilo que se passa ali ["isto aqui é mesmo a sério?", "o quê?", "isto... 0"], além de que assim ainda posso manter uma esperança de vos convencer a uma visitinha [keep dreaming, right?]!

De resto, as semanas vão passando e vocês vão-me faltando, mas aqui a malta proporciona coisas engraçadas, que ajudam a passar o tempo, e quando der conta já estarei farta de vos aturar... :P

[keep telling yourself that...]

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Round 2

A anopheles voltou a fazer das suas!

Mas eu volto a GANHAR!

Mais uma oportunidade que carrega uma lição sobre serviços médicos: desta feita sobre a precisão dos exames médicos (ou dos analistas...).
Aproveitando a oportunidade, e para despistar uma hipótese remota de estarem também invadido por parasitas, os meus "colegas-de-casa" decidiram acompanhar-me num teste que acabaria por confirmar as minhas suspeitas. Um dos colegas fez o teste imediatamente a seguir a mim... e o perigo de fazer o teste quase em simultâneo manifestou-se, fazendo jus à ironia, e anunciou-nos que estava ele infectado e não eu! Duvidando do resultado, pedimos para ser consultados por um médico e para repetir a análise, apenas para descobrir que tinhamos razão - eu estava de facto, mais uma vez, e apesar do cuidado, infestada de parasitas!!!

Diagnóstico: "1 por campo";
Novidade: "1 por campo" significa que tenho cerca de 40 parasitas por mm3...
Tratamento: diferente, para variar, ou melhor: um anti-palúdico diferente, já que se mantiveram as vitaminas e o paracetamol.
Repouso: absoluto, para variar - cerca de 60 horas sem pôr um pé fora de casa, primeira saída de uma casa para outra, segunda saída da outra para a casa!
Companhias: todas (como de costume - os livros e as séries) e mais algumas - net, que embora muito lenta, é muito bem-vinda...
Recuperação: muito melhor - sem incidentes, desmaios ou internamentos desnecessários.

Por isso cá estou, mais uma vez vitoriosa e mais uma vez desejosa de que não volte a repetir-se.

E em jeito de informação para todos, e para mim em particular (para ter presentes os riscos e não descuidar), aqui fica o que diz a Wikipedia sobre o assunto:

A malária ou paludismo é uma doença infecciosa aguda ou crônica causada por protozoários parasitas do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada do mosquito Anopheles.
A malária mata 3 milhões de pessoas por ano
[1], uma taxa só comparável à da SIDA/AIDS, e afeta mais de 500 milhões de pessoas todos os anos. É a principal parasitose tropical e uma das mais frequentes causas de morte em crianças nesses países: (mata um
milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano). Segundo a
OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.
A designação paludismo surgiu no
século XIX, formada a partir da forma latinizada de
paul, palude, com o sufixo -ismo. Malária é termo de origem italiana que se internacionalizou e que surge em obras em português na mesma altura. Termo médico tradicional era sezonismo, de sezão, este atestado desde o
século XIII.[2] Existem muitas outras designações.

A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi-rurais, mas pode ocorrer em áreas
urbanas
, principalmente em periferias. Em cidades situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno. Os mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se
ao picar os portadores da doença, tornando-se o principal vetor de transmissão desta para outras pessoas. O risco maior de aquisição de malária é no interior das habitações, embora a transmissão também possa ocorrer ao ar livre.
O mosquito da malária só sobrevive em áreas que apresentem médias das temperaturas mínimas superiores a 15°C, e só atinge número suficiente de indivíduos para a transmissão da
doença em regiões onde as temperaturas médias sejam cerca de 20-30°C, e umidade alta. Só os mosquitos fêmeas picam o homem e alimentam-se de sangue. Os machos vivem de seivas de plantas. As larvas se desenvolvem em águas paradas, e a prevalência máxima ocorre durante as estações com chuva abundante.
A malária pode apresentar algumas variações no ciclo da doença, mas em geral pode ser descrita da forma apresentada a seguir: Quando o
protozoário penetra no sangue
humano, aloja-se nas células do
fígado. Depois de um período, passa a usar os glóbulos vermelhos (também denominadas de hemácias) para se reproduzir. As infestações nestes dois tipos de células provocam graves sintomas, tais como: intensas dores abdominais, no corpo e na cabeça, febre, calafrios e vômitos. Em muitos casos, quando a malária não é tratada adequadamente, pode levar a morte.
Os ciclos de febre coincidem com um grande número de explosões de hemácias e a
liberação de protozoários no sangue do hospedeiro.
A malária causada pelo protozoário P.falciparum caracteriza-se inicialmente por sintomas inespecíficos, como dores
de cabeça, fadiga,
febre e náuseas. Estes sintomas podem durar vários dias (seis para P.falciparum, várias semanas para as outras espécies). Mais tarde, caracterizam-se por acessos periódicos de calafrios e febre intensos que coincidem com a destruição maciça de hemácias e com a descarga de substâncias imunogénicas tóxicas na corrente sangüínea ao fim de cada ciclo reprodutivo do parasita. Estas crises paroxísticas, mais frequentes ao cair da tarde, iniciam-se com subida da temperatura até 39-40°C. São seguidas de palidez da pele e tremores violentos durante cerca de 15 minutos a uma hora. Depois cessam os tremores e seguem-se duas a seis horas de febre a 41°C, terminando em vermelhidão da pele e suores abundantes. O doente sente-se perfeitamente bem depois e até à crise seguinte, dois a três dias depois. Se a infecção for de P. falciparum, denominada malária maligna, pode haver sintomas adicionais mais graves como: choque circulatório, síncopes (desmaios), convulsões, delírios e crises vaso-oclusivas. A morte pode ocorrer a cada crise de malária maligna. Pode também ocorrer a chamada malária cerebral: a oclusão de vasos sanguíneos no cérebro pelos eritrócitos infectados causa défices mentais e coma seguidos de morte (ou défice mental irreversível). Danos renais e hepáticos graves ocorrem pelas mesmas razões. As formas causadas pelas outras espécies ("benignas") são geralmente apenas debilitantes, ocorrendo raramente a morte.
Os intervalos entre as crises paroxísticas são diferentes consoante a espécie. Para as espécies de P. falciparum, P. ovale e P. vivax, o ciclo da invasão de hemácias por uma geração, multiplicação interna na célula, lise (rebentamento da hemácia) e invasão pela nova geração de mais hemácias dura 48 horas. Normalmente há acessos de febre violenta e tremores no 1°dia, e passados 48 horas já no 3°dia, etc, sendo classificada de malária ternária. A infecção pelo P. malariae tem ciclos de 72 horas, dando-se no 1°dia, depois no 4°dia, etc, constituindo a malária quaternária. A detecção precoce de malária quaternária é importante porque este
tipo não pode ser devido a P. falciparum, sendo, portanto, menos perigoso.
Sintomas crónicos incluem a
anemia, cansaço, debilitação com redução da capacidade de trabalho e da inteligência funcional, hemorragias e infartos de incidência muito aumentada, como infarto agudo do miocárdio e AVCs (especialmente com P. falciparum).
Se não diagnosticada e tratada, a malária maligna causada pelo P. falciparum pode evoluir rapidamente, resultando em morte. A malária "benigna" das outras espécies resulta em debilitação crónica mas mais raramente em morte.

É uma das doenças mais importantes para a humanidade, devido ao seu impacto e custos, e constitui um fardo extremamente pesado para as populações dos países atingidos, principalmente em África, incomparável aos custos sociais de qualquer doença ocidental. A malária existe potencialmente em todas as regiões onde existem humanos e mosquitos Anopheles em quantidade suficiente, o que inclui todas as regiões tropicais de todos os continentes e muitas regiões subtropicais. Hoje em dia, a África é particularmente atingida, estando poupadas apenas o norte e a África do Sul. Na América existe em toda a região
central (
México e países do istmo) e norte da América do Sul, incluindo mais de metade do território do Brasil (todo o Nordeste e Amazónia) e ainda nas Caraíbas (não existe no Sul
incluindo Sul do Brasil). Na
Ásia está presente em todo o subcontinente indiano, Médio
Oriente
, Irão, Ásia central, Sudeste asiático, Indonésia, Filipinas e sul da China. A malária já existiu mas foi erradicada no século XX da região mediterrânea, incluindo Sul da Europa: Portugal, Espanha, Itália, sul da França e Grécia; e no Sul e Oeste dos EUA. Ao todo, vivem quase 3 bilhões de pessoas em regiões endémicas (ou seja, metade da humanidade) em mais de 100 países.
Há, todos os anos, 300 a 500 milhões de casos da malária, dos quais mais de 90% na África, a maioria com resolução satisfatória, mas resultando em enfraquecimento e perda de dias de trabalho significativos. Ela mata, contudo, cerca de 2 milhões de pessoas em cada ano, cerca de um milhão das quais são crianças com menos de 5 anos. Na Europa e, mais especificamente, em Portugal, os casos são muito menos graves, havendo apenas alguns milhares. A grande
maioria dos casos, e provavelmente a sua totalidade, são importados de pessoas que visitaram países tropicais.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

constâncias

Sorrir porque sim é bom.
Sorrir por motivos grandes é melhor ainda.
Sorrir por saber que os outros sorriem é perfeito.


Sorri graças a um sorriso, ao sentir que era feliz com a felicidade de alguém, ainda que desconhecido... e descobri que não há na vida melhor motivo para sorrir!

happy 2...

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Páscoa - parte VII

Tundavala
A célebre
Na Fenda não se ouve mais que o vento, e vê-se apenas a Essência.





Fica a saudade antecipada e a colecção de pequenos nadas que vivemos no caminho, esses que não se descrevem, não se contam, não se dizem, não se fotografam, não se imaginam, não se faz sequer ideia... vivem-se só! :P
Posted by Picasa